icebergUm barco se aproximava de uma gigantesca rocha de gelo, boiando sobre o mar pouco agitado, gelado. Conforme se aproximava a enorme pedra de gelo boiante, se arrumava, esfregava o corpo pra ficar mais transparente, arredondava as pontas pra parecer menos agressiva.

O repórter se equilibrou na ponta do barco com seu microfone, dando um pequeno espaço para o câmera assustado. Então começou a entrevista:

-Muito boa noite, este é mais um episódio de: Casos que não foram para os tribunais! Hoje vamos falar de um acidente que matou milhares de pessoas: o naufrágio do Titanic! Tiranizado por muitos hoje eu entrevisto o iceberg, que nunca pode contar sua versão dos fatos e foi visto como um vilão desde o dia em que o grandioso navio afundou. Em primeira mão pra você!

O repórter coçou a garganta, expirou fazendo sair vapor pelas narinas, então se preparou e começou:

-Senhor irceberg! Como vai?

-Eu vou bem e agradeço a oportunidade da entrevista.

-Pode nos contar o que realmente aconteceu naquela noite do naufrágio?

Meio sem jeito, envergonhado, coraria se tivesse cor, o iceberg começou a falar, gaguejando um pouco no começo.

-Foi um dia comum pra mim, eu estava tranquilo, como sempre, fazendo o que sempre faço, boiando com 90% do meu corpo submerso. A noite, como sempre, eu me preparava pra um cochilo, o mar estava calmo e não havia sinal de nada que pudesse estragar minha noite. Até que aquela geringonça desgovernada, sem rumo veio em minha direção.

-E o que o senhor fez? – Perguntou o repórter.

-O que eu fiz? Eu sou um iceberg, eu não fiz nada! Fiquei no meu lugar, até que aquela coisa gigante de metal batesse em mim, me fez um estrago e tanto, demorei um tempão pra congelar de novo.

-Depois de todos estes anos, qual a sua maior frustração?

-Minha maior frustração? É saber que ficam colocando a culpa em mim. “Ah se não fosse o maldito iceberg!” “Aquele iceberg desgraçado, tinha que afundar o pobre Titanic!” Quer saber? Aquela coisona de metal é que teve a culpa toda! Ele veio correndo que nem maluco, apitando, me acordou no meio da noite! Depois bate em mim e me machuca, aí fazem filmes pra ele, dizem que ele era um grandioso navio nobre. Nobre onde? Ta mais pra um bêbado desgovernado! Aí o iceberg leva a culpa e fazem filmes sobre o Titanic.

-Mas isso logo vai acabar não é senhor iceberg? – Perguntou o repórter.

-Claro que vai! Nesta semana eu lanço minha biografia “A culpa não foi minha!”, e no ano que vem estréia um filme em 3D sobre a minha história, e de como um casal apaixonado teve que se separar quando um maldito navio desgovernado se jogou em um pobre iceberg. Espero todos vocês na sala de cinema. – Deu uma piscadela para a câmera.

-Muito obrigado senhor iceberg! Agradeço a sua entrevista.

O repórter entrou em foco.

-E essa foi mais uma emocionante história dos “Casos que não foram para os tribunais!” te aguardo semana que vem com uma entrevista exclusiva com, Harry e Larry, os aviões gêmeos que foram jogados nas torres gêmeas! Eles juram não ter culpa de nada! Um abraço e até a próxima!

fim

Autor: Emerson Silva