Arquivos para o mês de: outubro, 2011

adotamos um bebe

Bob chegou cedo ao humanil, iria enfim ganhar seu presente de aniversário. Seus pais lhe dariam um bebê. Ele sabia que teria muito trabalho, afinal eles choram, fazem sujeira, precisam de comida e banho. Mesmo assim seria uma ótima companhia para o pequeno Bob que já era um cachorrinho responsável.

O pai de Bob, Toby, um labrador alto que trabalhava em uma empresa de seguros, foi junto com o pequeno. Quando chegaram começaram a analisar os filhotes.

Toby não queria os adolescentes, berravam muito e queriam roupas caras para ficarem parecidos como os outros da mesma idade. Os jovens gostavam mais de beber cerveja do que água e depois de beber quase sempre faziam alvoroço demais, além de vomitar nas coisas. Os mais velhos reclamavam muito: de acordar cedo, de dormir tarde, da música alta.

Bob queria mesmo um filhote.

-O que acha desse Bob? – Disse Mike, coordenador do canil, um yorkshire de macacão, apontando para uma criança de cabelos negros.

-Não sei, ele parece meio bravo – comentou Bob ao ver o garotinho gritando dentro da jaula: eu quero a minha mãe!

-Vamos procurar outro – disse o pai preocupado que o filho pudesse se machucar tendo um animalzinho tão bravo.

-O que acha dessa aqui Bob? – Perguntou o coordenador do canil apontando pra uma menina de cabelos penteados, usando um vestido, brincando em um balanço.

-Ela parece meio triste. – Disse bob.

-É que foi tirada dos pais há pouco tempo, logo ela melhora.

-Olha Bob! Acho que encontrei um perfeito! – Disse o pai, indo até a grade onde um pequeno bebê dormia com uma chupeta na boca, enrolado em uma manta.

-Esse é bonitinho – comentou Bob. – Vamos levar ele pai!

-Sabe que precisa alimentar e ensinar ele, não é Bob? – Perguntava o pai pela décima vez.

-Sim pai, eu vou cuidar bem ele. – Disse animado balançando o pequeno rabo.

-Que bom, ou vamos ter que devolver ele pro humanil, e aí você sabe, eles vão sacrificar ele. Espero mesmo que ele seja bonzinho.

-Se ele fizer bagunça – comentou o coordenador – é só dar umas chineladas.

fim

Autor: Emerson Silva

Anúncios

maia

Cerca de 6 mil anos trás. Civilização Maia.

-Fala Pedrão, como vai? – Perguntou Fabio o chefe da construção do grande e revolucionário calendário Maia, quase terminado.

-Não muito bem. Os operários estão um pouco insatisfeitos com as obras. Falta comida, não temos mais férias e o salário de todo mundo tá atrasado. Alguns aqui têm mulher e filhos, precisamos dar um jeito nisso ou eles abandonam a obra.

-Sabe como é Pedrão, essa recessão econômica vem afetando todo mundo. Os carregadores de pedra, os entalhadores, até os mineiros.

-Olha! – disse Pedrão encostando o chefe em um canto – eu não queria te contar, mas estão pensando em greve.

-Mas estamos quase terminando o calendário! Uma greve agora seria um desastre! Só falta o finalzinho, a explicação de como ele funciona. Sem isso todas as futuras gerações vão ficar confusas. Olha só como ele está – disse apontando o grande aro de pedra – desse jeito vão achar que o mundo acaba bem ali, em 2012.

De repende os funcionários se levantaram, começaram a gritar, brandir suas ferramentas e a protestar.

-Greve!Greve!Greve!

-Está vendo só, agora seu calendário já era.

-Quer saber, já cansei de dor de cabeça também! Vou tomar uma cerveja. Quem vem comigo? Hoje é por minha conta!

-Mas e o calendário? Vai deixar assim?

-Que se dane, que confusão um calendáriozinho de pedra pode fazer?

fim

Autor: Emerson Silva

Remata Para Canto

Um blog para se saber tudo sobre futebol (ou não)

Pensar Enlouquece, Pense Nisso

Blog (mais ou menos) pessoal de Alexandre Inagaki

O Nerd Escritor

Contos, Literatura e Cultura Nerd

Farinha de Mandioca

Tapioca para comer com os olhos.

Letras Minúsculas

Literatura, ilustración, talleres